Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2019 > 08 > Acordo para estabelecer Centro para a Quarta Revolução Industrial no Brasil é anunciado em São Paulo

Economia

Acordo para estabelecer Centro para a Quarta Revolução Industrial no Brasil é anunciado em São Paulo

Produtividade

Secretário Carlos Da Costa, governador João Dória e a diretora do WEF, Marisol Argueta, firmaram entendimento nesta quarta-feira (21)
por publicado: 22/08/2019 14h19 última modificação: 22/08/2019 18h05

O titular da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia (Sepec/ME), Carlos Da Costa, assinou, na tarde dessa quarta-feira (21/8), em São Paulo (SP), carta de intenções em conjunto com o governo do estado de São Paulo e o Fórum Econômico Mundial (WEF).

A assinatura da carta, no Palácio dos Bandeirantes, marca o comprometimento formal no processo de criação do Centro para a Quarta Revolução Industrial no Brasil (Rede C4IR), convidando o setor privado e outros parceiros a participarem do projeto. O objetivo é anunciar a criação do Centro em janeiro de 2020, em Davos (Suíça), durante o Encontro Anual do Fórum Econômico Mundial; e inaugurá-lo em maio de 2020, no Fórum Econômico Mundial para a América Latina, em São Paulo.

Histórico

Em março de 2017, o fórum criou o Centro para a Quarta Revolução Industrial em São Francisco (Califórnia, EUA), como um espaço para cooperação global e desenvolvimento de políticas e colaborações para acelerar os benefícios da ciência e tecnologia.

Desde então, o Centro expandiu-se internacionalmente em uma rede dedicada à governança global de tecnologia, com escritórios na China, Índia e Japão. O novo Centro no Brasil se juntará à Colômbia, a Israel e aos Emirados Árabes como uma instituição afiliada comprometida em minimizar os riscos das tecnologias emergentes.

O Centro Afiliado, em parceria com a iniciativa privada, terá sua sede instalada no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) em São Paulo, uma instituição de excelência com 120 anos de história.

De acordo com Marisol Argueta, que além de diretora é também membro do conselho de administração do Fórum Econômico Mundial, “para ter sucesso na Quarta Revolução Industrial é importante que governos, empresas e sociedade civil trabalhem em conjunto para desenvolver novas políticas para tecnologias emergentes. O Centro irá co-desenhar e pilotar políticas inovadoras. Como parte da rede global do Fórum, as equipes irão trocar conhecimento e escalar os aprendizados globalmente”.

O Ministério da Economia do Brasil já possui projetos de cooperação com a Rede C4IR na área de Internet das Coisas, Robótica e Cidades Inteligentes, com projetos sendo desenvolvidos em manufatura e saúde.

E, para o secretário Carlos Da Costa, “fazer parte dessa Rede ajudará a acelerar e escalar a adoção de tecnologias emergentes, com foco na solução dos principais desafios econômicos, sociais e de desenvolvimento do país”. Ele acrescentou que a criação de um Centro Afiliado no Brasil “permite ao país avançar em outras tecnologias importantes da Quarta Revolução Industrial, como Inteligência Artificial, Blockchain, Veículos Autônomos e Drones”.

Da Costa também apresentou à diretora Marisol Argueta duas importantes frentes que o governo federal, por meio do Ministério da Economia, está desenvolvendo para impulsionar o crescimento do país: o Brasil 4.0 (com ações de inovação) e o Emprega Mais (para melhoria da qualificação profissional).

Coletiva de imprensa sobre reunião do Fórum Econômico Mundial