Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2019 > 08 > Meta de US$ 20 bilhões em ações desestatizadoras está próxima de ser atingida pelo governo

Economia

Meta de US$ 20 bilhões em ações desestatizadoras está próxima de ser atingida pelo governo

Estatais

Durante evento em São Paulo, secretário Salim Mattar também listou outras ações adotadas para melhorar a economia
por publicado: 12/08/2019 22h37 última modificação: 12/08/2019 22h40

O secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, anunciou nesta segunda-feira (12/8), em São Paulo, que a meta de US$ 20 bilhões em ações de desestatização anunciada pelo ministro Paulo Guedes no início deste ano está próxima de ser atingida.

“Falta menos de 10% para atingirmos a meta que o ministro estabeleceu em Davos”, afirmou, na 20ª Conferência Anual do Santander, se referindo a discurso feito por Guedes em janeiro, na Suíça, durante o Fórum Econômico Mundial. Segundo o secretário, até o momento foram realizados US$ 19,3 bilhões em desestatizações, desinvestimentos e concessões na área de infraestrutura.

Mattar também listou outras ações que o governo está adotando para melhorar o ambiente econômico e retomar o crescimento. Entre as medidas, citou a abertura do mercado de gás e da aviação, a reforma administrativa e o acordo entre o Mercosul e União Europeia. Segundo ele, os efeitos já podem ser vistos, com a redução da taxa de juros, a valorização do real frente ao dólar e a redução no número de homicídios.

“Estamos de mangas arregaçadas buscando colocar o Brasil nos trilhos e transformar o país em uma sociedade aberta, no caminho da prosperidade, como diz o ministro Paulo Guedes”, declarou.

O secretário aproveitou para reforçar que sua missão no governo federal é reduzir o tamanho de um Estado, segundo sua avaliação, gigantesco, obeso, lento, oneroso e burocrático para o pagador de impostos.

“Queremos vender ativos para reduzir o tamanho do Estado e também o tamanho da dívida. Nosso Estado é rico, mas a população é pobre.  No passado, o Estado se servia do cidadão e agora é chegada a hora de o Estado servir ao cidadão”, finalizou.