Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2019 > 08 > Ministério da Economia analisa os primeiros sete meses do governo federal

Economia

Ministério da Economia analisa os primeiros sete meses do governo federal

Política Econômica

Secretários apresentam em São Paulo as principais realizações da Pasta neste ano
por publicado: 08/08/2019 16h34 última modificação: 08/08/2019 16h38

A política econômica adotada pelo governo federal foi tema de debate promovido pelo BTG Pactual no 2º Macro Day nesta quinta-feira (8/8). Pela manhã, representaram o Ministério da Economia as Secretarias Especiais de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec); de Comércio e Exterior e Assuntos Internacionais (Secint); de Desestatização, Desinvestimento e Mercados (SEDDM); além da Secretaria de Política Econômica (SPE).

O evento continua no período da tarde, com a participação da Secretaria Especial da Receita Federal e da Secretaria do Tesouro Nacional.

Produtividade

O secretário especial Carlos Da Costa, titular da Sepec, apresentou a proposta do Simplifica, programa que busca articular a remoção de obstáculos à produtividade e à competitividade das empresas, por meio de medidas simplificadoras.

Destacou, ainda, o que chamou concorrência para a prosperidade, ou seja, medidas que visam baratear a energia, entre elas o “choque do gás”; medidas para melhorar a navegação de cabotagem; a desregulamentação e a redução de barreiras que travam a produtividade no país.

“Temos que simplificar a vida das empresas e trazer transparência. Promover condições para que haja concorrência para a prosperidade, além de abertura para concorrência ‘destrangulamentar´. Lançamos o Pró-Infra, que vai dar um choque no saneamento, trazer uma agenda de ações de logística, energia, saneamento básico, mobilidade urbana, telecomunicações e habitação popular”, informou Da Costa.

Dentro de ações que já apresentam resultados, o secretário destacou o trabalho voltado à Zona Franca de Manaus.

No primeiro painel, secretários Carlos Da Costa, Marcos Troyjo e Adolfo Sachsida apresentaram destaques de suas pastas. Foto: Alan Teixeira/BTG Pactual Divulgação

Política externa

O secretário especial Marcos Troyjo, da Secint, quando questionado sobre as “pedras no caminho” entre o Mercosul a União Europeia (UE), destacou que há um grande planejamento estratégico para qualquer empresa. E, assegurou, isso já é uma realidade.

“Resolvemos nesses primeiros seis meses algumas anomalias que tínhamos na economia brasileira, entre elas, a distância histórica entre as políticas comerciais e econômica”, frisou Troyjo. “Com o novo desenho do Ministério da Economia, conseguimos aproximá-las. As políticas comerciais passaram a se interligar com a política econômica”.

Segundo ele, com os acordos comerciais, como o firmado com a União Europeia e a possibilidade de acordo com o dos EUA, “vamos recuperar o tempo perdido na relação bilateral EUA/Brasil. Sempre de mãos dadas com a política econômica”, disse Troyjo.

Patrimônio da União

O secretário especial Salim Mattar, de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, declarou que está analisando diversos modelos de venda dos imóveis da União. “Estamos testando algumas modelagens para vender os imóveis. Esta área tem três objetivos: primeiro, suprir os órgãos públicos; segundo, vender imóveis para reduzir a dívida; e, terceiro, cuidar, organizar e administrar tantos imóveis”, disse.

Segundo o secretário, há um esforço concentrado para ter um ordenamento de forma a saber tudo o que existe e o que pode ser vendido. “Temos coisas muito valiosas: terras, fazendas, imóveis para serem retrofitados (termo equivalente a revitalizados ou readequados). Estamos ordenando para verificar o que é viável. A venda de um imóvel significa geração de emprego e renda para a população que vive naquele entorno”, finalizou.

No final da manhã, secretário Salim Mattar falou sobre a venda de imóveis da União. Foto: Alan Teixeira/BTG Pactual Divulgação

FGTS

O secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, destacou as mudanças recentes no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). "Estamos devolvendo ao trabalhador o dinheiro que é dele.  Ninguém sabe melhor do que o trabalhador como utilizar o seu dinheiro", disse.

Sachsida salientou ainda que as medidas de aprimoramento do Fundo devem ter efeito positivo na produtividade, reduzindo a rotatividade no mercado de trabalho.

"Quem optar por receber o Saque Aniversário deixará de receber o saque rescisão, o que motivará a permanência do trabalhador na empresa em que atua", comentou.