Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2020 > Fevereiro > Salim Mattar defende redução do patrimônio imobiliário para abater a dívida pública

Economia

Salim Mattar defende redução do patrimônio imobiliário para abater a dívida pública

Patrimônio da União

A meta é regularizar os imóveis e depois vendê-los, indica o secretário aos superintendentes regionais da SPU reunidos em Brasília
por publicado: 10/02/2020 14h26 última modificação: 10/02/2020 17h55

Diminuir o tamanho do Estado e, mais precisamente, de seu patrimônio imobiliário. A meta foi apresentada pelo secretário especial de Desestatização e Desinvestimentos do Ministério da Economia, Salim Mattar, na abertura do 1° Encontro Nacional dos Superintendentes do Patrimônio da União. O seminário começou nesta segunda-feira (10/02), no auditório do bloco K do Ministério da Economia (ME), em Brasília. "Precisamos regularizar o máximo de imóveis que pudermos”, indicou Mattar. “Nosso segundo objetivo é vendê-los para reduzir a dívida pública”.

I Encontro Nacional dos Superintendente do Patrimônio da União - Brasília DF

Segundo Fernando Bispo, titular da Secretaria de Coordenação e Governança do Patrimônio da União (SPU/ME), atualmente, existem 750 mil imóveis em todo Brasil anexados ao patrimônio da União. “A lógica sempre foi de acúmulo e chegamos a esse enorme passivo que agora estamos empenhados em organizar”, explicou.

O objetivo de se desfazer dos ativos que não são úteis para a administração pública federal está mobilizando esforços de todas as unidades da SPU nos estados e no Distrito Federal. “Precisamos que todos os superintendentes façam um levantamento de seus imóveis. Outra das destinações possíveis, além da venda, é a doação de áreas para fins de regularização fundiária destinada a famílias carentes”, acrescentou o secretário.

O encontro dos superintendentes regionais vai até a próxima sexta-feira, 14/02. Além de receberem informações sobre as novas diretrizes de gestão e governança do patrimônio da União, eles também trazem para a Unidade Central, localizada em Brasília, suas principais dificuldades e desafios.

“Encontramos diferentes realidades nas superintendências. Hoje iniciamos esse trabalho de alinhamento para que vocês saiam daqui com todas metas e diretrizes definidas", afirmou Bispo. Segundo ele, o momento é de alinhamento para que uma nova lógica de gestão patrimonial seja replicada em todo país.