Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2019 > 09 > Iniciativa de advocacia da concorrência da SEAE favoreceu consumidor do gás de cozinha

Economia

Iniciativa de advocacia da concorrência da SEAE favoreceu consumidor do gás de cozinha

Advocacia da concorrência

Medida defendida pela SEAE e aprovada pelo CNPE visa baixar o preço do gás de cozinha para o consumidor final
por publicado: 05/09/2019 13h06 última modificação: 05/09/2019 16h12

Publicação de julho da Secretaria Advocacia da Concorrência e Competitividade (Seae) contribuiu para tomada de decisão recente do governo na regulação do mercado de gás liquefeito de petróleo (GLP), mais conhecido como gás de cozinha. O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), que reúne várias pastas e é presidido pelo Ministro de Minas e Energia (MME), aprovou o fim de subsídio cruzado no setor na reunião extraordinária ocorrida em 29 de agosto de 2019. 

O subsídio decorre basicamente da possibilidade de grandes consumidores, como os industriais, arcarem com parte dos custos do GLP para uso doméstico (em botijão de até 13 kg). A política aumenta a incerteza do investidor e, consequentemente, compromete a ampliação da oferta e a possibilidade de preços mais acessíveis ao consumidor final. A título de previsibilidade, o subsídio não será extinto de imediato, mas a partir de março de 2020. 

Análise técnica

A Nota Técnica SEI nº 12/2019/SUREG/SEAE/SEPEC-ME, de 22 de julho de 2019, explica os efeitos econômicos adversos do subsídio, como a o fato de não ser focalizado, alcançando todos os tipos de consumidor indistintamente e, portanto, diminuindo benefícios potenciais para as famílias de menor renda. A implementação do subsídio cruzado no preço de atacado, e não no preço ao consumidor final, é outro fator que limita esses benefícios. 

A nota aponta ainda implicações diversas sobre a concorrência. É o caso do descolamento da precificação do mercado interno com as referências internacionais, elevando a incerteza da atividade de importação ou da criação de novas unidades de produção e, dessa forma, desestimulando a realização de investimentos e a entrada de mais agentes no setor. No segmento de distribuição, a política de preço diferenciado do GLP favorece a manutenção de market share, criando obstáculos à competição igualmente nesse elo da cadeia. 

Estimou-se em cerca de R$ 695 milhões a perda potencial de bem-estar do consumidor, entre janeiro e maio deste ano, com o descolamento de preços interno e externo favorecido pela política em tela. Essa circunstância e outras foram comentadas na nota para indicar a oportunidade do momento atual para eliminação do subsídio que vigora por quase quinze anos, ao amparo da Resolução CNPE nº 4, de 24 de novembro de 2005. Uma delas foi o aumento do preço do gás de cozinha bastante acima da taxa de inflação, cerca de 86% entre 2017 e maio de 2019. 

Citou-se ainda a disparidade atual com a cotação internacional (Monte Belvieu), também na faixa dos 80% em maio deste ano, conforme relatório do MME.


Nota técnica – Subsídios para revogação da política de diferenciação de preços para GLP

Nota técnica explica os efeitos econômicos adversos do subsídio da política pública de diferenciação de preços para o gás liquefeito de petróleo (GLP) acondicionado em recipientes até 13kg e destinado ao uso doméstico.

 

Baixar
(formato .pdf – 859 KB)